you're reading...
Brasil, Contato, Política

Práticas arcaicas.



Um fato curioso ocorreu-me nas últimas semanas. Um parceiro de trabalho ligou-me para me fazer um alerta. Ele me solicitava a retirada de uma postagem feita no meu facebook, feito por uma prima. O motivo da preocupação envolvia políticos do estado. O que me chamou a atenção foi a simplicidade do caso, minha prima postou uma reportagem publicada em um jornal a respeito de uma figura pública e questionou-me se era verídica a informação. Eu apenas respondi a verdade, que realmente não sabia. Muitos de vocês não imaginam as diferenças culturais que envolvem nossa nação de proporções continentais. Falo isso com experiência, pois já tive o prazer de morar em três diferentes regiões do país, e fico ainda impressionado com certas coisas que acontecem na Paraíba, onde atualmente eu resido com minha esposa e filha. Aqui histórias contadas pela população descrevem o medo e a coerção dominando o funcionalismo público. Com todas essas manifestações que temos observado em nosso país, não seria hora de repensarmos nossa educação, nossas maneiras e nossas atitudes que são muitas das vezes covardes?


Não tenho nenhuma vergonha de confessar que fui um dos milhões de brasileiros enganados na primeira eleição presidencial, no período pós-ditadura. Votei no rapaz jovem que prometia acabar com a corrupção e que acabou sendo arrancado do seu cargo através de um processo de impeachment traumático para nossa nação. Na época fiquei revoltado pois havia confiado aquela pessoa, que nem vale a pena citar o nome, meu primeiro voto para presidente da nação e pedi explicações, apesar de não ter participado diretamente em manifestações. Assim fui acostumado e o farei sempre que for necessário. Talvez uma única voz, a minha, seja pouco em um estado com quase quatro milhões de habitantes, mas se eu conseguir que apenas uma única pessoa leia o meu texto e concorde comigo, eu já me sentirei vitorioso.


Se eu votei em determinado candidato, minha responsabilidade em cobrá-lo será maior do que os eleitores que não votaram no mesmo, ao menos esse é meu pensamento. E se por acaso ele cometer algum deslize grande, eu serei o primeiro a botar a boca no mundo, exigir uma resposta e tendo provas poderei criticá-lo. E por que tanto medo? No estado existem muitos empregos vinculados a politicagem, as pessoas simplesmente ficam com medo de sofrerem represálias e perderem seus empregos, para isso existe a justiça ainda que tardia. Vou dar meus exemplos esdrúxulos e exagerados que costumo a exemplificar. Você votou no candidato A e descobre que o mesmo está envolvido em caso de um assassinato. Você iria ficar quieto, vendo a injustiça, vendo o sofrimento de um pai ou uma mãe, que perdeu um ente querido, por que teme que ocorra alguma represália a seu emprego? Se ocorresse uma manifestação popular exigindo a investigação do caso e algum superior seu o proibisse de participar, você deitaria no seu travesseiro a noite em paz com sua consciência? Se você é do tipo que ficaria quieto por medo de perder seu emprego, é bom começar a rever seus conceitos de cidadania.


Gosto sempre de lembrar que o famigerado Adolf Hitler subiu ao poder utilizando-se de vários artifícios sujos, um deles era o medo e a coerção entre a população que lhes era opositor. Muitos dos que criticavam o desgraçado no começo dos anos 30, bem antes do bastardo mostrar sua verdadeira face, eram espancados, ameaçados, presos e até mortos por criticar o partido que prometia a salvação do povo alemão. O resto é história e todos ao menos já deveriamos saber como terminou.


O Brasil passou um bom tempo na ditadura, e os que a defendem não tem a menos ideia do que os governos militares representaram para o país. Se por acaso qualquer cidadão levantasse qualquer dúvida a respeito de um figurão, no mínimo era preso e seria um eterno sortudo se conseguisse sair vivo de alguma prisão suja. Esse período acabou e temos liberdade para que falarmos e pensamos o que quisermos, é claro que essas ações devem ser levadas com responsabilidade, pois acusar alguém sem provas é insano e o acusador poderá no mínimo virar réu em um processo jurídico. Não podemos permitir que este tipo de prática ainda ocorra em pleno século XXI, não existe mais espaço para o coronelismo e as perseguições políticas. Quem se cala perante a uma injustiça é considerado co-autor.


Já que estou falando da Paraíba, a Petrobras informa que vai deixar o porto de Cabedelo e migrar para Suape em Pernambuco. Depois de perder a fábrica da Fiat para Goiana, também para o vizinho, outra grande empresa deixa o estado. Não seria hora de alguém dar uma explicação convincente sobre essas fugas?


Para finalizar, eu gostaria de compartilhar com meus dois leitores fieis, um texto do alemão Martin Niemoller, um dos símbolos da resistência nazista. Ele escreveu o seguinte sobre o medo de se manifestar em plena ascensão do fuhrer:

“Um dia vieram e levaram meu vizinho que era judeu.
Como não sou judeu, não me incomodei.
No dia seguinte, vieram e levaram
meu outro vizinho que era comunista.
Como não sou comunista, não me incomodei.
No terceiro dia vieram
e levaram meu vizinho católico.
Como não sou católico, não me incomodei.
No quarto dia, vieram e me levaram;
já não havia mais ninguém para reclamar…”

Pensem nisto !


TROFÉU VAI TOMAR UM UUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUU

Para os políticos que ameaçam servidores. Esse tempo já passou, meu tataravô participava desta prática, está na hora da sociedade Paraibana dar uma resposta a essa prática arcaica.

Anúncios

Discussão

Nenhum comentário ainda.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Idiomas

Últimos Artigos

%d blogueiros gostam disto: