you're reading...
Brasil, Esportes

Desabamento no Rio



É inacreditável e inaceitável que em um país que vai sediar uma copa do mundo e logo depois uma olimpíada ainda aconteçam certos tipos de acidentes. As chuvas que castigaram a região sudeste já são uma macabra tradição. E a nossa indignação triplica quando descobrimos que um ano depois do maior desastre natural do país, nada mudou nas regiões serranas. Lugares que foram arrasados ainda carecem de ajuda do governo e de recursos, que sabe-se lá onde foram parar. Como se não bastassem os desastres naturais agora os artificiais também estão virando rotina. Já vimos o Palace desabar, shoppings com perigos de explosão, casarões antigos desabarem, mas um prédio em pleno centro financeiro do Rio de Janeiro me parece novidade. Nenhum edifício vai ao chão a troco de nada. Se as investigações comprovarem a linha de raciocínio adotada até o momento, de que as obras realizadas em um andar foram a principal causa do colapso, certamente nada acontecerá aos responsáveis, típico do Brasil, e vidas terão sido perdidas de maneira estúpida e inútil. Aos turistas que virão ver as competições fica o aviso. Cuidado onde se hospedarem, pois o prédio pode desabar, é recomendado muita atenção ao andar nas ruas pois os bueiros podem explodir, isso sem contar com assaltos e toda sorte de greves. Decididamente o Brasil não pode ser levado a sério.


O Flamengo sofreu para conseguir a classificação para a fase de grupos da libertadores. O jogo mostrou o quanto o time é limitado e sem um esquema definido. É verdade que o rubro negro bombardeou o gol adversário, desperdiçando várias oportunidades de abrir o placar. Mas sejamos francos, se eu conseguisse reunir a minha turma de peladas, com certeza faríamos frente ao Real Boliviano. O bem verdade do que estou falando é que o time da altitude quase faz um gol de cabeça, no segundo tempo, em um contra ataque na qual a fraquíssima defesa rubro negra, mais uma vez, ficou batendo cabeças. O time da Gávea não é favorito a libertadores e nem ao menos o carioca, e conseguirá muito se fizer a façanha de passar da primeira fase de grupos. O mengo vai enfrentar um time argentino, que sempre são complicados, o Emelec do Equador na altitude e o tradicional Olimpia do Paraguai. Para completar a bagunça instalada na Gávea, um site informou, antes do jogo, que o “profexó” já não era mais o técnico do Flamengo, só esqueceram de avisar ao próprio Luxemburgo que nada sabia. O time ainda teve um momento tenso antes do jogo, quando a notícia de que o jogador Deivid entrou na justiça comum contra o Mengo, cobrando 19 meses atrasados. A presidente Patrícia Amorim é mais uma decepção que passa pela Gávea e parece ter perdido o controle do timão. A nau rubro negra segue sem rumo com uma competição importantíssima as portas. E para completar a farra rubro negra, o próximo técnico deverá ser o velho conhecido Joel Natalino.


Vejo vários membros da imprensa reclamando dos estaduais. Não é de agora e nem coisa de dez anos atrás que os estaduais são um verdadeiro fracasso. No Rio, por exemplo, todo mundo sabe que o título ficará com um dos quatro grandes. Raramente aparece algum penetra na final, porém nunca sai no fim da festa com a faixa de campeão . Em São Paulo depois de várias rodadas sobram oito equipes, isso mesmo oito, para disputarem a fase seguinte. A diferença entre os dois é que em Sampa já houve situações em que o campeão veio do interior do estado, mas com o novo regulamento isso dificilmente acontecerá. Os resultados são desastrosos: médias de público ridículas, clubes grandes endividados e o mais grave de tudo: clubes tradicionais como o América, o Bangu no Rio, o Guarani e a Lusa de São Paulo praticamente falidos e acabados.


Cruel mas espetacular a final do aberto da Austrália protagonizada por Nadal e Djokovic. Foram nada menos do que 5hs50min de jogo que só foi decidido no quinto set e mesmo assim graças aos 7×5. Imaginem se no último set o jogo se arrastasse a 32×30 ou algo parecido. Foi a final de grand slam mais longa da história. E com o resultado desse massacre imposto aos jogadores, muita gente já implora por mudanças urgentes nas regras, para o bem da saúde dos jogadores.


A declaração dada a uma rádio pelo jogador Daniel Carvalho me pareceu bem esquisita. De acordo com o palmeirense, os anabolizantes rolam a vontade na Europa. O rapaz citou inclusive muitos brasileiros que já teriam feito uso das substâncias. E será que ninguém é pego nos exames? Segundo sua declaração, na Rússia nem existe o tal do exame antidoping. Isso não é caso de uma investigação internacional? Tratam-se de acusações gravíssimas que envolvem o esporte mais popular do mundo e em vários países.


O ano começou com uma grande polêmica, daquelas que afetam nossas vidas e futuros, e uma mania nacional. O suposto estupro cometido por um integrante do espetacular e cultural programa da grande rede foi motivo de debate público. Eu particularmente não gosto do jogo disputado ao vivo e prefiro continuar um “inculto funcional”. As cenas da suposta invasão sem consentimento foi realizado debaixo de cobertores ou lençóis e os puritanos de plantão abriram o debate pedindo o fim do programa. Eu não posso dar o meu parecer particular, pois como já disse eu não sou consumidor de drogas e não vi a tal cena. Mas aqui para nós, o tal programa está em sua décima segunda edição e apenas agora querem proibir a exibição? Porque isso não foi feito há dez anos atrás? E tenham um pouco de paciência, porque não debater a corrupção que impera no planalto central? Não se trata de um assunto muito mais importante?


Depois da polêmica do estupro foi a vez da nova mania nacional. Uma propaganda vinculada na cidade de João Pessoa, na qual um colunista anuncia as maravilhas de uma nova construção. Ao final o protagonista enaltece as qualidades e reitera que o negócio é tão vantajoso que ele fez questão de realizar o marketing com a família reunida, com exceção de uma das filhas que está em um outro país. Pois a tosca propaganda virou mania no país e a tal filha acabou virando uma celebridade nacional.


Uma declaração de um colega de profissão me foi dada e eu achei-a sensacional. Ele disse, a respeito dos dois textos acima, que o mundo não vai acabar por desastres naturais. Não será um vulcão, nem um tsunami gigante, nem o sol que irá se apagar, nem uma guerra nuclear ou algo parecido que destruirá o planeta. O mundo vai acabar por causa dos idiotas que dominarão a face da terra.


TROFÉU VAI TOMAR UM UUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUU

Para Patrícia Amorim e sua trupê. O Flamengo não é circo.

Anúncios

Discussão

Nenhum comentário ainda.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Idiomas

Últimos Artigos

%d blogueiros gostam disto: